Buenos Aires… (Melhores momentos 2)

Camboriu4 Calçadão, cafés, locutórios (aqueles lugares cheio de telefones que você pede pra balconista a ligação e depois atende numa cabine fechada…), gente bonita. Mas não é Buenos Aires, apesar da semelhança. É Balneário Camboriú, onde o Costa Sul pasou e se divertiu a valer.

A “boa” da noite foi do Janjão, amigo experiente velejador. A prefeitura havia se comprometido em nos oferecer uma recepção e coisa e tal, mas não deram as caras. Lá pelas tantas, desanimados pelo furo fomos até uma pizzaria, quase toda a flotilha, umas 50 pessoas. O tal “cada-um-paga-o-seu”. Eis que quase no fim, aparece o vice-prefeito. Num rompante brilhante, cuja presença de espírito só os mais vividos, experientes, caras de pau (e um tanto alcoolizados)CCS 038 podem ter, levanta-se o Janjão e brada: “Pessoal, uma salva de palmas ao vice-prefeito que veio pra pagar nossa conta !”. A galera veio abaixo em aplausos, assovios e, claro, o homem pagou… Esse Janjão é o meu herói ! Sempre com bons conselhos de quem já fez a costa mais de 9 vezes, cansei de ouvir “sai rizadinho, Ricardinho, sai rizadinho… depois você sobe se precisar…”. E assim fomos com segurança e aprendendo com quem sempre tem muito a ensinar sobre vela…
Camboriú é uma cidade muito bonita e com muitos atrativos. Um morro com um teleférico de 2 estações. A primeira te leva até o alto do morro onde há um parque ecológico com atrações como arvorismo ou um esqui sobre trilhos. E a segunda parte vai até a praia de Laranjeiras, com restaurantes, lojas e uma linda praia… Tudo sem poluição e com preços justos ( ao contrário do Pão-de-açúcar no qual deixamos as calças pra comprar um ingresso e subir – tipo 44 reais por cabeça – e poder pegar uma fila para comprar um refri a preço de chapagne…).

Viva o Sul do Brasil !!!

Camboriu3 Na foto, a entrada do molhe onde fica a marina Tedesco, onde ficou a flotilha do Costa Sul, vista da subida do teleférico. Ao fundo, a orla de Camboriú. Uma avenida vai até a ponta do fundo, e outra volta, possibilitando um passeio fácil pela cidade, através de um ônibus turístico chamado “Bondindinho”, circular (não o ônibus, o trajeto).

Na orla, diversas canchas de bocha onde o pessoal da melhor idade passa horas se divertindo e mostrando que em termos de coordenação motora e visão espacial tem muito a ensinar. E a cidade conta ainda com um camelódromo onde se acha de tudo, inclusive “black label” por 50 reais… (eu ein !?). Juravam que era “lexítimo”… Fiz questão de não comprovar….

Sobre Ricardo Amatucci

Trabalhar com amor, afinco e seriedade. Chegar lá será a consequência!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.