A volta da Mafalda

metro de Buenos Aires

Gracias a la vida… que me ha dado tanto…
Morreu Mercedes Sosa, La Negra como a chamam na Argentina. Estivemos por lá entre quarta e domingo, na semana da sua morte. Imagens nos jornais e revistas, cd’s nas lojas. Aproveitando a péssima administração da Cristina Kirschner (os argentinos com quem conversei são unânimes em afirmar que o marido é quem dá as cartas…), cuja inflação faz com que o real bata na casa dos 2,17 pesos, ou seja, pagamos “la metad” do que as etiquetas marcam. Tirando nossa carga tributária, a maioria dos produtos – náuticos inclusive – fiquem muito convidativos.

000carro

O preço das refeições, o preço dos vinhos, enfim, tudo é quase um passaporte para aumentar o peso… O motivo da viagem foi fazer uma palestra para os Argentinos sobre o Costa Leste. Ano passado fui com o Janjão para comemorar nosso aniversário que é no mesmo dia – 16 de fevereiro… Esse ano não comemoramos diretamente mas foi quase isso…janja´s
Acabamos fazendo a mesma farra nos jantares ou no show de tango, enfim… a verdadeira comemoração é a vida, e é todo dia… Ficamos num pequeno hotel muito bem instalados no centro de Buenos Aires. A rua era calma, uma pequena travessa no final de uma grande avenida, e por isso, perto do metrô mas longe do barulho e da confusão. Fomos a San Isidro e região (um outro município) de metrô e depois trem, e outra vez de taxi. apesar do taxi ser barato, não compensava por causa do trânsito que em alguns locais parava por muito tempo. Pelo menos no trem e no metrô íamos vendo pessoas e até batendo um papo com alguns para trocar umas idéias e saborear o país de maneira mais autêntica. Esta foto aqui ao lado foi com o Janjão, numa dessas idas quando encontramos essa peça de museu (o carro, bem entendido) e Janja’s lembrou dos velhos tempo do Gordinni (ou era Dolphini ?)…
000garrafas Em outro passeio, música ao ar livre e casais dançando tango na feira de Santelmo, um festival de antiguidades e coisas assim pelas ruas, calçadas e praça central do bairro que leva o mesmo nome. Fomos à pé porque o hotel era próximo. E aproveitei para trazer uma garrafa sifonada dessas aqui, a segunda, para minha coleção de garrafas. Também me deparei com uma banca que vende placas de carros antigos e não teve jeito: trouxe uma também…

palestra 02

A palestra foi interessante. Tinha umas 120/130 pessoas e meu espanhol apesar de media-bueca, deu conta do recado. No final um casal me procurou para conversar sobre detalhes da parada pós-Bahia e acho que teremos algumas adesões dos hermanos.
000ivan

No mais, ficam as boas lembranças dos amigos e as imagens desta bonita cidade. E quem sabe… até o ano que vem…

000café 000placa000caminantesalão noite000obelic

Sobre Ricardo Amatucci

Trabalhar com amor, afinco e seriedade. Chegar lá será a consequência!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.