Abrolhos: o Arquipélago dos Atobás


Lá fomos nós numa chacoalhante travessia de 35 horas desde Vitória, nossa última parada. Chegamos no meio da tarde e em seguida desembarcamos para conhecer o farol de Abrolhos, cuja construção data de 1861.

Pra nós, essa foi uma conquista importante: chegar em Abrolhos em nosso próprio veleiro, apenas nós dois nos revezando em turnos e superando as dificuldades. Claro com a Heleninha a bordo.
Nessa travessia pegamos 27 nós de vento e ziiiiip, lá se foi a velha vela mestra rasgadinha – graças a Deus – no sentido da esteira, o que nos permite seguir nos rizos. Logo após, com o mar chacoalhando muito e algumas ondas varrendo o Tangata de proa a popa, o motor parou (seguíamos com o vento japonês – “na cara”), por causa de uma borra de sujeira que se soltou do tanque e entupiu filtro racor, mangueiras e me obrigou a aprender a ser mecânico nas piores condições que já passamos.
Com as velas trimadas e o piloto automático (Deus salve o cara que inventou isso !) pudemos descer e, após esvaziar o porão com toneladas de bugigangas sobre o paineiro que escondia o sistema de combustível, arrumar tudo em mais de meia hora de mela aqui, assopra alí, desentope isso, bebe diesel, etc.
Chegamos cansados, com o Tangata em estado de guerra por dentro, mas felizes e vitoriosos sobre nossos medos. Somos mais humildes e sábios depois dessa…

No dia seguinte fizemos uma visita à ilha Siriba, onde há um ninhal de Atobás. É pásaro pra tudo que é lado. São basicamente 2 espécies deles (no Brasil há 3), com muitas particularidades. Uma das interessantes é sua capacidade de dessalinizar a água que bebe, soltando o sal pelos “furinhos” no bico. Outra é que a postura de 2 ou 3 ovos serve para preservar a espécie: quando há predadores a mãe escolhe apenas um filhote para criar e abandona ou outros. Mas em Abrolhos todos crescem pois a predação é mínima (pelas Fragatas)…

Após a visita, demos uns mergulhos naquele paraíso, afinal ninguém é de ferro.
Ah, e um churrasco com o pessoal da Marinha. Vida chata essa de velejador…

Sobre Ricardo Amatucci

Trabalhar com amor, afinco e seriedade. Chegar lá será a consequência!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.