Bons momentos, velhos tempos

Essa semana uma dessas pessoas de mal com a vida acordou, lambeu um limão e postou um comentário bem mal criado e grosseiro – devidamente deletado – por aqui.
Dizia ele qualquer bobagem sobre o fato de não termos chegado em Noronha por causa de “um ventinho de 30 nós” ou coisa assim. Nada que eu tenha dado muita importância.

Mas então porque a citação? Porque foi pensando nessa mediocridade (de se dar ao trabalho de postar uma bobagem agressiva no blog do alheio), que também pensei o quão feliz sou – ao contrário talvez do tal rabujento – por poder velejar pela costa com minha mulher e minha filha. Me sinto realmente privilegiado. Vejo amigos que até hoje reclamam de suas esposas ou namoradas. Saem com os amigos, o que aliás também acho muito bom, não fosse pela falta de opção.
Pensamentos indo assim, aproveitei para rever algumas fotos antigas, dos trempo que começamos a velejar na Guarapiranga.

Lembro como se fosse recente…
Depois de um curso, nós alugávamos uns veleiros e ficávamos boiando, felizes. Às vezes por falta de vento mesmo. Outras por falta de noção…

A Helena era pequenininha e ia de colete. Hoje enfrenta mar ruim e não reclama. Está uma moça ! Uma das fotos engraçadas dessa época de Guarapiranga foi essa aqui em baixo. Ela e uma amiga “acamparam” dentro do nosso primeiro Tangata Manu, um Velamar 27…

Valeu, visitante. Fizemos uma limonada ! Volte sempre. Mas pega leve…

Sobre Ricardo Amatucci

Trabalhar com amor, afinco e seriedade. Chegar lá será a consequência!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

3 respostas a Bons momentos, velhos tempos

  1. Rogerio diz:

    Familia Tangata,

    Quando li o relato onde vocês decidiram não ir à Refeno, bati palmas!
    Muitas vezes nos vemos em momentos como este; quase que “forçados” pela situação a colocar em prova a resistência do material e da tripulação. Quase como se fosse uma obrigação! Parece que muitas pessoas, esquecem de itens básicos como segurança. Não que o Aladim e sua tripulação não suportassem as condições que se apresentaram. Mas para que por em cheque algo que você conseguiu; reunir a família em um belo cruzeiro.
    Não tenha dúvida, você tomou a decisão correta!
    Minha família está passando por um momento, onde estamos ambientando nossos filhos de 2,5 anos a se acostumarem ao balanço do barco. E não penso em sair com tempo ruim. Quero curtir muito com eles algo que amo, que é navegar.
    Não será ninguém azedo, me atrevo dizer até invejoso, que me fará pensar ao contrário!
    Abraço para ti e tua família, e que continuem juntos a aproveitar um cruzeiro pela costa!

    Rogerio, Graciele, Júlia e Arthur!

  2. tangatamanu diz:

    Olá Rogério, Graciele, Júlia e Arthur ! Que família grande ! Na vela, não ter pressa é investir no futuro. Você está no caminho certo. E velejar com a famíliaé muito mais prazeiroso como você vai ver quando estiver por aí com eles.
    Abração

    Ricardo

  3. miriam diz:

    ola familia tangata, sabe de uma coisa: esse povo devia arrumar alguma coisa útil, e tb cuidar de suas proprias vidas, ao invés de encher a paciência dos outros né não?
    E depois se ele não percebeu, aí damos um dica, só ele não aplaudiu. Nós todos aplaudimos a decisão de vcs. Parabéns pela decisão familia tangata. bjs

Os comentários estão fechados.