No povoado de Catu

Dia 3, terça, continuamos em Itaparica. Após o café da manhã, fomos até a vila comprar peixe e pão. Depois, seguimos para a marina, onde perguntamos qual é o esquema para deixar o veleiro. Simples: havendo vaga, coloca-se o veleiro e depois dirige-se à administração para o acerto. O valor é 1 real/pé/dia em pontão com água mineral, luz (110/220) e wi-fi. Se quiser pegar só água, 15 pilas. E cá entre nós, se quiser só wi-fi, basta sentar numa mesa em frente… Sorria, você está na Bahia…

Depois descemos o canal de Itaparica, passando pelas diversas localidades no caminho…

Entre um vilarejo e uma mansão e outra, passamos pela fonte do Tororó (lembra da musiquinha?? Eu fui no Tororó beber água não achei…) e pela ponte do Funil, para mastros até 18m. Como o nosso 30 pés não tem isso, foi baba…

Logo depois chegamos ao penúltimo povoado antes da Barra Falsa, final do canal. Certamente o mais pitoresco, Catu é um pequeno vilarejo com uma igreja pequena, pracinha, casas simples, pequenos bares e ruas de paralelepípedo com grama.

A molecada brinca pelas ruas e se banha nas águas do canal fazendo a festa a tarde toda.
O mais famoso dos bares/restaurantes é o Dona Almerinda, tão decantado nos guias da região. Descemos com o bote a procura dele e como não sabíamos onde desembarcar, fomos ao lugar mais movimentado e com mesas coloridas.

Uma simpática negra de nome Zilda nos recebeu. Estávamos no restaurante Colibri, ao lado do Almerinda, que por sinal estava fechado.

Enquanto esperávamos nossos pedidos, ficávamos entre o canal e o chuveiro do restaurante. Nos refrescando…

Após uma deliciosa moqueca e uma batida de umbu, fomos passear pelas ruas e fotografar o entardecer, antes de voltar a bordo para nosso merecido descanso.

A quarta-feira amanheceu preguiçosa e bahiana. Café e passeio pela praia da manilha. Acredite, manilhas na areia onde brota água doce… visitamos a fonte do Tororó (lembra da música da sua infância??). Mas isso fica pro próximo post…

Sobre Ricardo Amatucci

Trabalhar com amor, afinco e seriedade. Chegar lá será a consequência!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.