Saindo pela Barra Falsa

Uma e nossas aventuras na estada pela Baía de Todos os Santos foi a saída pela chamada Barra Falsa, um estreito canal entre a Ilha de Itaparica e o continente.
Formada por diversos bancos de areia que se movimentam conforme a maré e os ventos, há muita controvérsia sobre o local. Há quem diga que é perigosíssimo e arriscado demais passar por lá, enquanto outros dizem que não é nada demais, desde que seguidas algumas dicas como pasar no estofo da cheia e, claro, seguir os waypoints corretos.

Quando estivemos churrasqueando em Tororó na companhia agradável do Davi, velejador conhecido e experiente, perguntei a opinião dele sobre passar por lá e ele foi enfático: “não há problemas. Se estiver com dúvida ou nunca passou, fale com o Bujão lá em Catu e ele guia vocês pra fora”.

Não deu outra: fomos até Catu, achamos o Bujão e combinamos a saída.
O horário ideal como já disse, é passar no estofo da maré alta e preferencialmente bem cedo, porque não há vento e por consequência o mar está baixo. Na região, depois que o sol arde, o vento começa a entrar. E isso tudo desde que não exista tempo ruim chegando. Como nossa bomba de água do motor havia quebrado, tivemos que esperar 3 dias por lá e com isso o horário do estofo ia ficando cada vez mais tarde, fazendo com que a maré fosse ficando mais baixa e o vento fosse entrando. Mas conseguimos fazer a pasagem com condições bastante favoráveis, apesar de não ideais.

Chegado o dia combinado avaliei pela “enésima” vez a meteorologia, olhei, cheirei e batemos o martelo quando, pelas 5h 15min o Bujão apareecu numa lancha para nos guiar.

No início ficamos bastante tensos mas à medida que íamos saindo, percebíamos que o Bujão conhecia mesmo a saída. Ele ia olhando as referências geográficas como morros, pontas de praia, casas, e por incrível que possa parecer, fazendo um “track” que era preciso como o que tínhamos indicado no GPS.

Pouco mais de uma hora nos separaram da ancoragem até o momento que nos despedimos já a caminho do Morro de São Paulo. A saída pela Barra Falsa nos economizou mais de 6 horas em relação à distância que teríamos se precisássemos dar a volta toda em Itaparica voltando pela BTS. Fora a experiência e o track gravado…

Sobre Ricardo Amatucci

Trabalhar com amor, afinco e seriedade. Chegar lá será a consequência!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.