Outra família nas mãos de piratas !

“Qualquer tentativa de resgatar a família dinamarquesa (capturada por piratas no Oceano Índico) irá resultar a sua morte” , alertou um pirata Somali nesta terça-feira, dia 1 de março. Mohamed Abdullahi, disse à Associated Press que ele tem ligações com a quadrilha que mantém a família e que eles serão mortos se qualquer operação de resgate foi realizada.
Especialistas disseram que os dinamarqueses – um casal com três filhos adolescentes com idade entre 12 a 16 anos – colocaram-se em grave perigo navegando em águas infestadas de piratas ao largo da Somália, apesar das advertências das forças navais que lutam para policiar a área.

A família foi capturado por piratas na quinta-feira passada junto com dois adultos dinamarqueses, tripulantes do veleiro, após o envio de um sinal de socorro. O governo dinamarquês disse que está a fazendo “tudo ao alcance” para ajudá-los.

Piratas somalis capturaram centenas de navios e milhares de tripulantes ao longo dos anos – agora eles têm 660 reféns e cerca de 30 navios. Mas praticamente todos os reféns são libertados ilesos após negociados resgates multimilionários. As empresas pagam esses resgates com dinheiro de seguro e raramente são tentadas missões de resgate.

Se o proprietário de um navio é incapaz de pagar a quantia exigida, os piratas mantêm o barco e usam-no para perseguir outros navios em alto mar.

Mohamed disse que os piratas estavam discutindo a quantia para o resgate dos reféns dinamarqueses, e acrescentou que investidores apoiando o grupo pirata foram um incentivo para uma grande soma.

Um casal britânico foi solto em novembro após mais de um ano em cativeiro. Diversos relatos especulam sobre quanto foi pago para a sua libertação, mas acredita-se ser algo em torno de 1 milhão de dólares. Os piratas estão agora pedindo cerca de 5 milhões de dólares por embarcação sequestrada.

A família dinamarquesa sabia sobre o recente sequestro do barco norte-americano, de acordo com um blog de viagens em que narram sua viagem ao redor do mundo que começou em 2009. Não ficou claro, no entanto, se eles sabiam sobre a morte dos americanos: “Claro, nós conversamos bastante sobre isso (o seqüestro americano), mas isso está longe, ao longo de milhares de quilômetros (milhas) e o Mar da Arábia que navegamos em é o tamanho da Europa” disseram no blog em 20 de fevereiro. Dois dias depois, os americanos foram mortos.

A última postagem da família dinamarquesa foi em 23 de fevereiro – um dia antes de seu seqüestro. Só disseram que sua viagem foi tranqüila e “não temos sido abordado por piratas”.

A bordo do veleiro ING estavam Jan Quist Johansen, sua esposa Birgit Marie Johansen, seus filhos e Rune Hjalte Naja e sua filha. Eles são de Kalundborg, 75 milhas a oeste de Copenhague. Estavam planejando entrar no Mediterrâneo através do canal de Suez e voltar para casa em agosto. Essa rota levaria a família através do golfo de Aden, uma das vias mais perigosas do mundo em termos de pirataria. Os Johansens estavam enviando sua posição diária e atualizações por e-mail desde 17 de fevereiro ao Reino Unido, para o Centro de Comércio Maritimo da Marinha Real Britânica que atua como uma ligação para navios que navegam pelas águas ameaçado por piratas. Paddy O’Kennedy, um porta-voz da Força Anti-Pirataria da União Européia disse que a UE tinha escrito uma carta aberta para os governos europeus, as organizações de iatismo e revistas, alertando para os perigos de navegar através da área ameaçada por piratas: “Nós fizemos tudo o que poderíamos para aconselhar a comunidade de iatistas do perigo”, disse. “Eles (os familiares) estavam cientes dos riscos que estavam prestes a tomar.”

No blog, a família escreveu que viram sobrevôos por aviões de patrulha anti-pirataria.
“É reconfortante que eles cuidem de nós”, disse. A EU mantém um corredor policiado no qual incentiva as embarcações a percorrer. Mesmo assim, isso não significou muito para a tripulação do ING.

Um dia antes, a família postou no blog que tinha elaborado “um plano de pirataria para quem faz o quê, se formos atacados.”

A menos que você saiba Dinamarquês, não visite o blog deles que fica aqui:
http://www.sailblogs.com/member/jordenrundt.info

Mas se souber, mande uma tradução que eu publico…

Sobre Ricardo Amatucci

Trabalhar com amor, afinco e seriedade. Chegar lá será a consequência!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.