Expedição Tietê-Paraná – Dia 3

Nossa noite no Bauru Tênis Clube foi tranquila. Dormimos na barraca, no quarto. O Paulo Fax que teve um acidente quando trazia seu veleiro na carreta – ela quebrou e o veleiro caiu numa ribanceira – está de carona conosco. Sem teto, ele dormiu no “avancê” da barraca. Ao acordar, ele estava com a cadelinha do clube enrolada nas pernas. Ela sentiu o calorzinho e entrou de fininho…
Após um café da manhã coletivo, partimos. O veleiro (catamarã) Zip que ficara terminando sua montagem já havia nos alcançado e assim a flotilha seguia completa.
Chegamos na eclusa de Bariri. Ao lado, uma enseada formada dentro de uma pedreira abandonada nos proporcionou um descanso com direito a banho nas águas geladas e límpidas do Tietê.
Depois de os veleiros baixarem seus mastros, iniciando a eclusagem onde os dados de cada embarcação tiveram que ser passados via rádio ao operador que comanda a eclusagem: boca, calado, número e nome dos passageiros, altura de mastreação, etc.
Apesar de ser a segunda, ainda ficamos impressionados com a descida na eclusa: em pouco tempo as paredes ao lado passam de 2 para 25 metros de altura, enquanto a flotilha desce, amarrada nas bóias móveis laterais.
Logo após a saída, a flotilha seguiu por um canal artificial que segue paralelo ao Tietê, por causa do baixo calado do trecho. Lembrando que a expedição segue pela hidrovia Tietê-Paraná, que é a via oficial de escoamento da produção de cana e soja, além de ser uma região onde se retira areia. De vez em quando cruzamos com chatas que levam e trazem esses produtos.
No caminho paramos ao lado e subimos para conversar com uma draga que extrai areia e pudemos ver seu funcionamento de perto.
As paisagens sucedem-se lindas e selvagens, e às vezes tudo muda, com enormes fazendas e plantações. Algumas em época de florada, proporcionam uma paisagem belíssima, principalmente ao entardecer.
Já com o pôr-do-sol chegamos a Arealva, local de pouso.
Ainda alí uma deslumbrante cena. Ao entardecer, literalmente milhares de garças voavam de vários lados para seu ninhal nas árvores, do lado oposto ao da cidade. As árvores pareciam frutificar grandes pássaros brancos que num ruído ensurdecedor nos davam as boas vindas em Arealva.
Mais tarde o vice-prefeito, o presidente da câmara de vereadores e um vereador, vieram nos receber e jantar conosco.
Um bom banho quente encerrou nosso terceiro dia da expedição…
Ainda não consegui postar as fotos. Além da falta de tempo, a conexão via VIVO é muito ruim por todo o percurso até agora. Lenta e analógica, o texto já é um parto…

Viaje conosco pelo Tietê

Sobre Ricardo Amatucci

Trabalhar com amor, afinco e seriedade. Chegar lá será a consequência!
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Uma resposta a Expedição Tietê-Paraná – Dia 3

  1. Boris e Pri diz:

    A expedição está ficando cada vez mais interessante! Poxa, como isso foi acontecer justo com o Fax? Foi o Bichopp que caiu na ribanceira? Mas demos muita risada ao imaginar o Paulo dormindo com o cachorrinho nas pernas! A cara dele!

    Bom, uma noite de mignon e fritas e outra de jantarmos com o prefeito, vocês estão indo muito bem, hein?

    Um abraço pessoal! Estamos maravilhados com a.expedição! Esperamos estar com vocês na próxima edição!

Os comentários estão fechados.